Pela nova lei do silêncio

Política Nacional | 11 de julho de 2007 | Envie para um amigo

Envie para um amigo





 

A vereadora Elaine Matozinhos, com muita coragem,  tem batalhado bravamente  pelo direito ao sossego  em Belo Horizonte chamando contra sí a fúria dos barulhentos. Veja  abaixo uma mostra do duro embate  que ela está enfrentando: 

 

Prezada veradora Elaine, não consigo visualizar os donos de bares que auferem lucros neste país com carga tributária igual ou mais elevada que a da Suiça. Que eu saiba quem realmente ganha dinheiro neste país, são vocês políticos, sobretudo os do seu partido de aluguel, como Roberto Jeferson, Waldemar e outros bandidos, através de negociações excusas com lobistas, de emendas e obras fantasmas, além é claro dos ricos salários dignos de parlamentares de primeiro mundo, com auxílios paletó, moradia, etc etc. Aliás, vocês aí na câmara estão dando show de bola em gastação com gasolina e muito mais. A senhora está completamente equivocada. O que parece é que vocês não estão satisfeitos com o que ganham e a sanha arrecadadora só está buscando um meio de tirar mais dinheiro do pobre trabalhador. A senhora já ouviu dizer de dono de bar que ficou rico nesta terra? Agora político, com o suado dinheiro do povo, via multa estratosféricas ficam milionários. O seu partido não merece o respeito dos brasileiros, aliás, nenhum partido, muito menos o seu, com um quadro com tantos pilantras juntos.  Belo Horizonte é famosa por seus bares. Diz a máxima: “Belo Horizonte não tem mar, mas tem bar” e até isto a senhora quer acabar. Bom é bem verdade que politico não precisa de bar para se alegrar, suas orgias com as Mõnicas Velosos e Jane Mary corners da vida são feitas em mansões de bairros chiques em estilo privê. Quem precisa de bar, é pobre, para desabafar as mágoas e esquecer os salários de miséria que se pagam neste país. Saiba que segundo a sua lei, nós cidadãos poderemos pedir multa para os ônibus e caminhões de lixo, com lixeiros gritando e cantando, que passam em nossas portas tarde da noite. Aliás, com a proposta de volume de decibéis, não vamos poder cuspir para não fazer barulho. Me poupe, vereadora, porque a senhora nao se ocupa de causas mais nobres como a de, por exemplo, colocaar para fora os parentes dos seus pares que estão aí nos cargos que poderiam ser ocupados por mim, ou por qualquer outro cidadão da cidade através de concurso, dignamente. 

Abaixo a nova lei do silêncio. Abaixo a proposta ridícula que a nobre veradora, que por falta do que fazer apresentou. Cordilamente,  Geraldo de Castro  Relações Públicas PS. Ah, lembre-se de um pequeno detalhe, nós, frequentadores de bar, somos também eleitores e nos lembraremos da senhora, com certeza, na eleição do ano que vem. Eu me comprometo em divulgar o seu nome para todos os meus amigos que se sentirem prejudicados com tamanha cretinice.

———–ooooo————-

Resposta da vereadora

 

 

Prezado Senhor Geraldo Castro,
   

 

  Agradeço o seu e-mail e informo-lhe que a nova lei que trata da poluição sonora não tem o objetivo de prejudicar trabalhadores. Objetiva-se, isto sim, é que maus empresários que não adequam seu estabelecimento para produzir som, que pagam mau seus funcionários, sobretudo os músicos, façam a vedação acústica necessária e possibilitem os vizinhos a ter o direito do sossego. Tal direito é garantido na Constituição Federal quando trata da função social da propriedade, pelo Código Civil no que tange ao Direito de vizinhança e a própria lei ambiental. Eles auferem lucros à custa do sacrifício alheio: funcionários e vizinhança. É preciso ter alegria, bares, restaurantes, boates, mas preservando o direito alheio. É só se adequar e fazer a vedação acústica. Quanto ao nepotismo, teno a mesma opinião sua e, por isto, não tenho ninguém de minha família em meu gabinete. Precisamos tirar Belo Horizonte do triste 2º lugar em cidade mais barulhenta do País. Você, eu e boa parte da população queremos ter nossos direitos respeitados. 

Estou à suas ordens para novas informações. Atenciosamente,    Elaine Matozinhos

11.409 visitas

Comentários:

54 comentários sobre “Pela nova lei do silêncio”

  1. Margot Alvarenga em 13 de julho de 2007 16:41

    Por certo que o projeto de lei da vereadora Elaine Matozinhos não tem como objetivo prejudicar os donos de bares, mas lutar por aquilo que é fundamental numa sociedade democrática, o respeito mútuo que deve haver entre todos os cidadãos. Um bom ambiente de lazer não significa que tenhamos que perturbar os demais que preferem o sossego. Podemos nos divertir sem importunar os demais. Cada um escolhe a sua maneira de viver, mas desde que não afete o direito dos demais.Cuidados com as aplicaçoes das leis ambientais é uma constante preconizada no mundo inteiro, e nós brasileiros não podemos virar as costas para este paradígma consubstanciado em lei.
    A carga tributária é mesmo imoral, a falta de perspectiva de um povo sacrificado não deve ser motivo para respondermos com urgias e cachaçadas, mas procuremos uma forma de atuar contra regimes como o nosso, tendo como exemplo e modelo o que preconizaram os nossos companheiros que morreram e foram torturados para acabar com a ditadura em nosso país, combatendo e lutando sempre dignamente,com bravura e destemor como nos foi ensinado pelo então jovem líder da libertação da América Latina, nosso sempre comandante CHE GUEVARA!

  2. Daniel Borges em 15 de julho de 2007 22:36

    Não acredito ser possível aplicar multas a ruídos nos níveis de decibéis estipulados pela “nova lei”. Só esse simples fato desqualifica a proposta . Fica claro para qualquer pessoa que a intenção da vereadora é chamar para si a atenção da mídia com a polêmica criada.

    A hipocrisia e o cinismo dos políticos se manifesta de várias formas, uma delas é por meio de pseudoprojetos de lei sem nenhuma base na realidade e absolutamente inexequíveis.

  3. alexandre vivacqua em 22 de julho de 2007 15:50
     

    É muito claro: os donos bares, quadras de esporte, etc., estão se lixando para a população.

    Ninguém está se opondo aos bares, isso É DESVIAR a questão. Somos, aqueles que querem uma BH moderna, contra a total desconsideração de determinados DONOS com a população em geral e, especialmente, aos moradores ao lado que têm de engolir essa safadeza e essa sujeira sonora TODOS OS DIAS.

    A questão da poluição sonora  ew  BH é um escândalo. Só aumenta e é natural.

    Está na hora de dar O PRIMEIRO BASTA à corrupção sonora.

    Alexandre Vivacqua
    Filósofo

  4. Alexandre em 21 de agosto de 2007 22:38

    Eu acho muito interessante a organizaçao dessa nova lei pois ela esta diminuindo na medida do possivel a poluiçao sonora que vem sendo o maior problema sofrido pela maior parte da papulaçao.

  5. JOSE CESAR VALE CAMPOS em 23 de agosto de 2007 08:11

    FAVOR ENVIAR-ME , SE POSSÍVEL , A ÍNTEGRA DA NOVA LEI , PARA QUE EU POSSA EMITIR MINHA OPINIÃO.

    ATENCIOSAMENTE ,

    JOSÉ CÉSAR – USIMINAS / BH

  6. JOAO CARLOS em 16 de setembro de 2007 01:51

    Venho através desta informar-lhe que todo o sábado no fazenda futebol clube em São João de Meriti – RJ, funciona um baile fank que esta perturbando a paz dos moradores na localidade, com um som altíssimo e incontrolável em ruidos, motos em disparadas e fazendo barulho de tiros, e carros rodando em frente, sem contar as inúmeras quantidades de crianças que participam deste incontrolável absurdo, e onde a Policia Militar parece não adiantar. Gostaria de contar com este conceituado departamento para as medidas cabíveis.
    ATENCIOSAMENTE,
    JOÃO CARLOS – RJ

  7. Avelino Rodrigues em 27 de setembro de 2007 16:56

    Eu sou músico e as festas que me convidam para tocar e cantar diminuiram 95 por cento, devido a essa lei do silencio tenho três filhos para criar e fazer-los pessoas de bem.Isso não contando com os lugares onde fazem festas
    como exemplo, Sesc, clubes, lalões de de festas, buffets onde envolve muitos pobres trabalhando, como que fica esta terrível situação?
    Putra coisa, além de presos em casa agora que ficar calados tambem.

    Obs: Se não resolverem esse problema crido são em torno de 8700 musicos que vão passarem fome, mas vão estar consientes de onde veio esta lei.
    você que é vereadora aí vai uma pergunta, você tem filhos?

  8. Avelino Rodrigues em 27 de setembro de 2007 17:14

    Me esquecí de um detalhe, como que vamos trabalhar no
    fim de ano e revellion? temos pelo menos uma oportunidade?

  9. Avelino Rodrigues em 27 de setembro de 2007 17:25

    Eu músico e mais de 63.000 pessoas que sobrevivem de festas em BH como que ficam?
    Aguardo uma resposta.

    Att, Avelino.

  10. Fabiola Garibaldi em 1 de outubro de 2007 14:27

    Prezada Vereadora Elaine e demais cidadãos que acessam este site, seria muito bom que todos soubessem e principalmente a Senhora que é vereadora, que nós moradores e frequentadores do Bairro São Bento e Santa Lucia sabemos o verdadeiro motivo da sua “busca” pelo silêncio. A Senhora só luta com todas as suas forças por esta lei, por causa do seu sossego, do seus interesses pessoais, que mora em uma mansão ao lado do Falls Shopping, e não gosta de ter o seu sossego perturbado. Quem é a Senhora para julgar se os empresarios auferem seus lucros as custas de seus funcionarios, se não fosse assim eles não comeriam e nem os empresarios, e o que me diz a Sra. vc ganha o seu dinheiro na confiança que os eleitores tem em vc e ao inves de lutar por educação e segurança, coloca carros da prefeitura perto da sua casa para ver se os lojistas do falls vão fechar na hora que vc determinou. Tenha santa paciencia vereadora, vc esta prejudicando a vida de varios lojistas e funcionarios do Falls shopping, que diminuiu seu movimento em 99% desde a briga que vc entrou com o shopping, usando sua influência. Quantas pessoas ja perderam seus empregos graças ao seu egoismo e sede de poder. Se a Sra acha lindo ver as luzes do shopping apagadas as 22:00, com cones fechando o estacionamento, saiba que para nós frequentadores do Falls e que temos filhos só nos sobra a indignação de ter colocado vc como vereadora, ao pensar que posso cair em uma escada ou tropeçar no estacionamento porque as luzes tambem devem fazer barulho na sua mansão ao lado do Falls. Faço das minhas palavras a do meu colega cidadão Geraldo de Castro na proxima eleição levarei seu nome a todos que conheço, mas pode ter certeza que não será fazendo campanha para Sra.

  11. Francisco Carlos Deg em 5 de outubro de 2007 21:32

    Tá certo que os músicos precisam trabalhar, todos tem direito de frequentar os ambientes que gostam, mas não há necessidade de ignorar a maioria que preferem ou que necessitem de pelo menos a terça parte do dia para repousarem em silêcio, pois essa maioria também precisam trabalhar ou estudar. Essa lei exige tão pouco, só o período noturno onde a maioria prefere dormir para atender uma necessidade biológica natural.
    Não esqueçam, o silêncio estava aqui primeiro.

  12. Marcelo Barbosa em 6 de outubro de 2007 00:28

    Acho que a nova Lei do silêncio ainda é muito tímida, deveria avançar mais para extirparesta cultura ruidosa que por sinal é muito retrógada. Já estamos vivendo no século XXI. Acompanhei pessoalmente o sofrimento e a angústia do Professor Massote, quanto as aberrações relacionadas à questão em epígrafe, bem como a série de arbitrariedades das quais ele tem sido vítima. Massote continue lutando pelos direitos das pessoas de bem e conte comigo.
    Quanto aos músico e as pessoas que vivem dessa atividade, o ideal é que incentivem a adequação acústica dos locaise ambientes onde os mesmos desenvolvem as suas atividades profissinais.
    Afinal o direito do coletivo deve prevalecer sobre os interesses de uma minoria.

  13. Luciana em 11 de outubro de 2007 21:56

    Mentira que essa lei é só a partir de 23 hs, ela é a partir da hora que essa maldita vereadora determina… olhem a quantidade de bares e estabelecimentos de outros tipos que estao sendo interditados, e isso por terem música antes das 23hs. mesmo aqueles que tem no sábado e domingo a tarde. Agorem contem o número de pessoas que estão perdendo o emprego por causa disso.. garçons, músicos, faxineiros, cozinheiros, seguranças.. e por aí vai.. Aí eu pergunto.. essa lei vale só para bares???? tem uma obra do lado da minha casa, e todo dia as 6hs da manha acorda toda a vizinhança com um barulho infernal. O horário comercial nao é só depois 9hs? e eu sou obrigada a suportar essa barulheira? eles nao recebem multa não?? ela vai interditar todas as obras tb?? e feiras, escolas, academias? tudo isso tb é barulhento. Aliáis até passarinho cantando ultrapassa essa qunatiddade de decibéis.. eles tb vao ser interditados??? e por falar em bares de novo, osque tem musica estão sofrendo, mas e os que nao tem? são inclusive mais barulhentos, e a clientela incomoda muito mais, pois bebem e ficam fazendo arruaça debaixo da nossa janela.. aqui do lado de casa tem vários. Já chamei o disque sossego um milhao de vezes. Só vieram uma, e te pergunto, por que esses bares nao foram multado e interditados como os que tem um ruído agradavél, pois pelo menos é musica e nao arruaça!

  14. alexandre vivacqua em 2 de novembro de 2007 08:20

    A proposta( a fala) da vereadora é simples: uma lei regulatória quanto aos abusos sonoros. Ninguém é contra músicos e bares. Isso é desviar a questão.É querer evitá-la.

    A MAIORIA DA POPULAÇÃO, embora não lute e seja passiva, clama contra a violência sonora existente em nossa cidade. Não dá mais para aguentar esse diário desvio de conduta. Se deixar por conta dessa parcela que abusa dos cidadãos, ela nunca fará nada por uma BH MODERNA. Somente uma luta legítima como a da vereadora (e outras), pode produzir uma resposta positiva à questão sonora.

    BH “Nao pode Parar”? Sim. Mas tem de andar no pior? NÃO

    Alexandre Vivacqua
    Filósofo

  15. Maria Lucia em 5 de dezembro de 2007 14:09

    O que todos parecem nao entender que o direito de um termina, quando fere o direito do outro.
    Aqueles que reclamam do direito de fazer barulho, esquecem do direito dos outros de terem sossego.
    Adoro um barzinho, uma musica ao vivo e tudo mais, mas musica nao é este barulho insuportavel que agride nossos ouvidos. Não esta disputa de som que os mocinhos resolvem colocar em seus carros, nao para ouvir mas para se exibirem. Ninguem é obrigado a ficar ouvindo esta barulheira.
    Nao importa onde a vereadora mora, importa que ela tem razao.
    Voce pode aproveitar a vida da maneira que quiser, so não pode é pertubar os outros.
    Voces que defendem a barulheira, conseguem imaginar sendo atendidos por médico em uma emergência, quando este nao consegue dormir?
    Voces sabem que o sono é essencial?
    O que acontece é que a turminha que defende o barulho, normalmente no dia seguinte vai dormir até meio-dia, enquanto os probres mortais irao trabalhar às 07 hs. da madruga.
    Parabens vereadora, pela sua luta, nao desista, em um futuro estes mesmos que te criticam, irao agradecer pois tenho certeza que na hora que estiverem estudando para uma prova ou trabalhando irao necessitar de um belo e sossegado sono, ai lembrarao do dia que te criticaram.

  16. Aparecida Oliveira em 10 de dezembro de 2007 17:44

    Prezada Vereadora

    Parabéns pela sua atitude.
    Faço votos que outros políticos aderem a esta Lei e apliquem-a em outras cidades. De preferencia em todas elas, pois não há respeito neste sentido.
    Moro numa cidade do interior e, para se ter uma idéia, na minha rua, ou seja, num quarteirão têm cinco bares e todos eles têm música ao vivo em tom alto, sem limites. Além dos mocinhos que gostam de aparecer e colocam som altíssimos em seus carros. Um verdadeiro caos.
    O respeito é mútuo. Quem quiser ter som em seus estabelecimentos que façam vedação acústica. Chegamos no limite da falta de educação e respeito. Alguém tem que fazer alguma coisa. Você fez!
    Mais uma vez, meu sincero voto de sucesso.
    Atenciosamente,
    Aparecida Oliveira

  17. Nice em 11 de janeiro de 2008 11:08

    Minha casa e parede com parede a do meu vizinho ,sendo que resolveu abrir uma oficina e trabalhar batendo e incomoda muito. Como é bairro residencial acredito que ele tenha que tomar alguns cuidados. Conversei e pedi para começar a trabalhar às 8:00. Porque ele começava 6:00 , 7:00 e teve duas vezes que trabalhou a noite toda, e não conseguimos dormir.
    Neste caso como proceder.Gostaria de esclarecimento sobre a nova lei

  18. marcio em 25 de janeiro de 2008 17:47

    Primeiro parabes pela sua atitude.
    Todos temos direitos e deveres,a lei foi feita por que estava passando da hora de da um basta nessa “putaria” e a mesma tem que ser cumprida.
    Quem trabalha na noite como musico tem que agradecer,Pois nao vao mais prescisar tocar em calçadas como sao obrigados.
    Todo otario que tem 2mil reais coloca de som em seu carro e pensa que pode sair por ai colocando musicas futeis na orelha de todos que passam por eles.

  19. Maurício Silveira em 29 de março de 2008 23:58

    Ainda acho que as iniciativas nesse sentido são muito tímidas. O Brasil deveria criminalizar som alto em certos horários, principalmente noturnos, e banir som alto desnecessário nos demais horários, que de certa forma já são, apesar disso não ser cumprido.

    Pessoas que usam som abusivo em carros deveriam ser multadas com multas pesadas, e depois de certas horas presas.

    Quanto às pessoas que vivem de fazer barulho, não acredito que os 99,9% da população que não vivem disso devam sofrer por causa desse 0,1%, é uma questão simples de justiça.

    Barulhos altos prejudicam a produtividade no estudo e no trabalho em qualquer hora, e quando privam as pessoas de sono de qualidade produz um stress absurdo, fora danos à audição e cansaço.

    É hora desse país dar um basta a esses parasitas que não formam nem meio porcento da população que prejudicam a grande maioria, não só por fiscalização, mas também é hora da cultura mudar e acabar com a tolerância e a passividade dos pobres coitados que tem que aguentar essa palhaçada.

  20. max magioli em 30 de março de 2008 12:19

    Solicito saber se nos sábados é permetido som após 22:00horas?

  21. Carlos Júnior em 3 de abril de 2008 07:01

    Prezados senhores que estão comentando contra a nobre vereadora;
    Vocês realmente não sabem o que é morar ao lado de um vizinho barulhento não é verdade? Estão pensando apenas em bares, mas não se dão conta que existem outros estabelecimentos muuuuito mais barulhentos do que um barzinho com música até altas horas. Existem estabelecimentos do tipo MADEIREIRA da qual infelizmente sou vizinho, que não dão a mínima para o morador do lado. Ligam suas máquinas o dia todo, descarregam madeira de carretas e quando as jogam lá de cima parece até que a casa vai partir ao meio, funcionários que às 6 da manhã já estão empilhando e desempilhando madeira, horas extras até as 21 hs e na maioria das vezes está por volta do limite do dia que é 70 decibéis (70). Agora imaginem meus amigos, 70 decibeis o dia todo, 4 máquinas de serra e desengrosso na sua cabeça, madeiras enormes sendo jogada ao solo, tudo isso sem nenhuma vedação, ambiente totalmente aberto, e com cobertura de zinco, que reverbera ainda mais o barulho insuportável, e sem que a Prefeitura da cidade possa fazer muita coisa, já que o maldito limite é 70 decibéis, ou seja, altíssimo mesmo para o dia. Que me perdoem os donos de bares que até tem um barulho por assim dizer, melhor do que uma madeireira, mas esse limite deveria ser de apenas de 60 decibéis para o dia.

    Parabéns à Elaine Matozinhos e espero que esse limite de 70 db baixe para menos de 60 db durante o dia.

    abs

    Carlos de BH

  22. gysele lucia em 3 de julho de 2008 13:13

    existe alguma lei que protege bares e choperias que querem colocar música ao vivo, um dia ou horário específico?

  23. renata rodrigues em 16 de julho de 2008 19:20

    oi sou cantora de praça publica e estou sofrendo com perceguição por alguns fiscais, eu usava duas caixas de son de 12 plgd com volume entre 65, 70 db…eu cantava no horario de 11:30 da manha até 1:30 da tarde…. eu moro em uma cidade turistica e aproveito de vez enquanto o movimento para cantar e com isso arregado um dinheirinho,ao qual uso como fonte de renda. após um tempo de perseguição de fiscais q argumentavam q eu n~posso usar alto falantes p comercialisar, eu tentei um diálogo ao qual foi envão…então dei continuidade mesmo contra eles. agora..definitivamente me tiraram o direito de poder cantar na praça publica..fui ofendida verbalmente e sofri humilhação diante d pessoas q assistiam meu trabalho..gostaria de pedir ajuda ou orientação sobre qual atitude devo tomar? por favor…. aguardo resposta,deis de ja agradeço atenção……ass: RENATA RODRIGUES

  24. Thaïs em 17 de setembro de 2008 17:38

    O que confere direitos a terceiros para perturbarem a paz da população? O que os donos de bar acham das pessoas, normais, trabalhadoras, reivindicarem seus direitos naturais ao silêncio e à paz? Por que meios de incividade se acham com o poder sobre o espaço do outro? O que confere aos barulhentos, arruaceiros, poluidores de qualquer espécie o direito de poluirem e desrespeitarem o próximo? São tão ignorantes que só se enxergam e são obtusos a ponto de não respeitarem o espaço (latu sensu) do próximo? Que profissional é este que não se contém no seu espaço e invade todo um entorno? Porque não vão para os países que estão em guerra para ali serem empresários? Com certeza o barulho da guerra não os incomodará e ninguém -acho, porque as pessoas civilizadas desejam silêncio – irá reclamar, principalmente no meio de barulho de bombas, explosivos, tiroteios, metralhadoras e toda sorte de sons tenebrosos. Então mais um barulho fora de lugar não será tão incômodo.
    Como uma pessoa se diz civilizada e quer impor seus incômodos, barulhos, gostos e tudo mais a outrem, que sequer conhece? Por que nosso País possui tanto desrespeito ao próximo? …..

  25. Isaura de Faria em 5 de outubro de 2008 09:16

    Prezada vereadora Eaine Matozinhos,
    Hoje, 05/10/08, reafirmo a confiança pelo seu trabalho. Moro no bairro Santa Efigenia onde o silencio precisa muito da sua defesa.
    Parabens , tenho certeza que mais uma vez sairá vitoriosa.

  26. Thiago Matozinhos em 7 de outubro de 2008 00:54

    Sou filho da vereadora Elaine Matozinhos e nao pude deixar de comentar quando li este artigo. A carta dirigida à minha mãe pelo senhor Geraldo de Castro além de agressiva usa argumentos inválidos e preconceituosos, dignos de alguém que se manifesta sem ter o conhecimento dos assuntos dos quais quer argumentar sobre. Sugiro à todos que estão lendo que PESQUISEM, procurem se informar o máximo possível antes de manifestar uma opinião, o que é um grande mal que vejo nas pessoas hoje em dia. A lei do silêncio proposta por minha mãe NUNCA visou acabar com a diversão da população, apenas visa um objetivo : o bem comum. Quem tem que acordar bem disposto e bem cedo todos os dias para trabalhar e mora em uma região aonde a poluição sonora reina na madrugada, entende o que estou falando. Mas como diz o velho ditado ” Pimenta nos olhos dos outros é refresco “, e como, infelizmente, a população do nosso querido Brasil faz uso deste ditado mais que qualquer uma nesse mundo, já era de se esperar tal reação por parte de algumas pessoas. Sugiro à essas pessoas um pouco mais de pensamento coletivo, vivemos na mesma sociedade e imaginem como essa sociedade seria melhor se todos pensassem no bem coletivo, ao invés apenas no próprio bem. Pena que a cada dia que passa este pensamento me parece mais utópico. Para finalizar, quero deixar claro mais uma vez que minha mãe nunca teve a intenção de acabar com a diversão na cidade, apenas quer que a diversão se faça com respeito ao próximo, como deve ser feita qualquer coisa em uma sociedade bem organizada. Aos que apóiam minha mãe, em nome dela mando um muito obrigado, e que continuem apoiando mais nessa nova caminhada de 4 anos, e que se precisarem, deixo meu e-mail para contato para eventuais idéias de como podemos ajudá-la a fazer dessa cidade cada vez um lugar melhor para se viver.

    Atenciosamente,
    Thiago Matozinhos

  27. Gisele em 22 de outubro de 2008 09:32

    Acho a lei muito válida, pois as pessoas que não sabem respeitar os direitos dos outros tem que ser punidas de alguma forma. Não se trata somente de bares e restaurantes.
    No meu caso, trabalho o dia inteiro (e trabalho muito), pego o ônibus super lotado além de ficar horas parada no trânsito e quando finalmente chego em casa meu vizinho liga o som no úlitmo volume ao ponto de não conseguir escutar a televisão e, graças a falta da Lei do silêncio, ele só desliga as 22:00hs.
    ELE TEM DIREITO DE OUVIR SOM E COMO POSSO LUTAR PELO DIREITO DE CHEGAR EM CASA E PELO MENOS DESCANSAR PARA TRABALHAR NO DIA SEGUINTE, OU ALGUÉM VAI PAGAR AS MINHAS CONTAS…….
    Vereadora, peço a DEUS que consiga nos ajudar, siceramente estou com problemas de saúde por causa desta situação.

  28. Tales em 23 de outubro de 2008 12:48

    Total apoio à vereadora!!! Votei nela e a recomendei a várias pessoas. Ainda bem que foi reeleita!

    Músicos e donos de bares que se adequem à lei! No Brasil só tem gente que fica justificando tudo pra manter seus empregos… vendedores de álcool, traficantes de drogas, bicheiros, baderneiros barulhentos…polícia e fiscalização neles!

    Povinho mineiro bunda que só gosta de beber!
    Vão fazer outra coisa!

  29. Marcelo em 12 de novembro de 2008 11:07

    Á senhora Elaine,eu queria dizer que nós vitimas dessa lei,não somos mal comerciantes e sim prejudicados pela enconpreenção de quem elaborou,e de quem faz cumprir.não nos dano se quer direito de defesa,se autua sem notificar e só aceita a defesa após quitação da dívida.valores abusivos para a nossa realidade,esse sim seria um motivo para que nossos funcionarios recebecem mal,pois a prefeitura não tem uma lei de incentivo e sim desistimulo ao comerciante honesto,nos empurrando para o mercado informal e causando desemprego.

  30. Magaly em 19 de janeiro de 2009 16:39

    O que vale realmente é tanto a Lei anterio, quanto a atual, sejam totalmente respeitada, pois, já não aguento mais barulho de construção, aquele barulho inssuportável das máquinas e furadeiras.

    Estou com um recém nascido em casa e hoje sei a dificuldade que é ter sossego, porque as leis nao são respeitadas temos que denunciar para ver o que acontece.

    e muitas vezes não acontece nada.

  31. Joao em 30 de janeiro de 2009 04:27

    A lei deveria limitar tambem o volume dos alarmes de carros e casas ou MULTAR os donos quando o alarme fica disparado por muito tempo de forma indevida! Ou seja sem que algo realemnte tenha acontecido!

  32. Eduardo em 30 de janeiro de 2009 19:24

    Que dar os parabéns à Elaine Matozinhos, nossos ouvidos não foram feitos para ficar aturando a barulheira que os bares, botecos e algumas igrejas fazem, não podemos concordar com a idéia de que só porque os bares geram empregos eles podem fazer o que bem entendem, todos nós somos trabalhadores e exigimos respeito, respeitamos os direitos de todos e não aguentamos tanta falta de educação por parte dos barulhentos.

  33. Dylan em 1 de fevereiro de 2009 19:19

    Algumas pessoas sentem orgulho de Belo Horizonte ser considerada a capital brasileira dos bares e botecos, pois eu não sinto orgulho nenhum, pelo contrário, isto significa que BH é a capital do alcolismo e do barulho, ou seja, duas pragas, o barulho excessivo dos bares e botecos adoece as pessoas e o alcolismo é doença. Parabéns à dignissima vereadora Elaine Matozinhos, que Deus a ajude a vencer a batalha contra o barulho em Belo Horizonte.

  34. Eduardo em 3 de março de 2009 10:22

    Não sei qual é o direito que os donos de bares pensam que tem de poluir a cidade com barulho, eles deveriam é contribuir com taxas para recuperação de alcólatras, isto sim, o número de alcólatras que espancam suas mulheres tem aumentado graças à grande quantidade de botecos espalhados por toda a cidade, sem falar na malandragem instalada nestes pontos comerciais, uma vergonha. É preciso que as autoridades abram os olhos para esta realidade, o alcolismo, a barulheira e a violência muitas vezes têm origem nos botecos da cidade.

  35. Wagner Santana em 24 de março de 2009 18:05

    Concordo plenamente com o Eduardo, os botecos e bares são responsáveis em grande parte pelo alcolismo, é lá que os homens enchem a cara antes de irem pra casa espancar a mulher e os filhos. E o barulho? Ninguém pode ser obrigado a aguentar a barulheira de certos bares e restaurantes, é um absurdo, se eles querem trabalhar, tudo bem, é um direito deles, mas nós também temos o direito de descansar o cérebro sem a barulheira infernal. Parabéns à Elaine Matosinhos pela luta contra o pouco caso dos donos de estabelecimentos barulhentos.

  36. José em 15 de maio de 2009 20:10

    Nossa vizinhança esta passando uma grande dificuldade com uns sem educação, que tem todo tipo de defeito que vc procura, mas um que deveria ter, este não tem, que é ser egoista, abre o som dos carros a toda altura e a qualquer dia, não conseguimos ter o nosso descanso “merecido” após um longo dia de trabalho e principalmente no domingo à tarde. Está uma coisa terrível, o que devemos e podemos fazer? Preciso de ajuda…

  37. José em 15 de maio de 2009 20:20

    Há, a propósito quero também deixar meus parabéns para a Deputada Elaine Metozinhos por esta iniciativa contra os tiradores da “paz” e do sossego dos moradores que pagam imposto como os tais. Aproveitando o incejo, gostaria de pedir a vereadora, não dá prá pegar também estes sem respeito nenhum que abrem as portas do “desrespeito” desses carros, se é se pode se chamar de carros, e não respeita os cidadãos que querem apenas viver em paz em seus cantinhos que compraram e pagaram por eles? Aguardo uma resposta positiva.

  38. Caca em 19 de maio de 2009 08:19

    Bom dia!
    Tudo bem?

    Gostaria que me mandasse,se possível, a Nova Lei do silêncio.
    Ficaria muito feliz.
    Muito Obrigada.

  39. Rodrigues em 26 de maio de 2009 15:33

    Esta faltando fiscal no disque sossego ou eles não estão agindo, a vereadora Elaine Matozinhos deveria solicitar que a guarda municipal que foi designada e credenciada para fiscalizar o trânsito, desse apoio às ações especificas desse orgão ambiental local, pois é permitido por uma legislação federal (CTB), e a barulheira começa, sexta-feira a noite, aos sábados e domingos.
    o guarda de trânsito terá nas mãos o decibelimetro, para comprovar a contravenção.

  40. Paulo Lopes em 9 de junho de 2009 15:04

    Afinal de contas, posso o não posso fazer barrulho.

  41. Paulo Lopes em 9 de junho de 2009 15:04

    Afinal de contas, posso o não posso fazer barrulho.

  42. Rafael em 21 de junho de 2009 20:12

    Caros músicos, ninguém está querendo acabar com sua bela profissão, as pessoas querem apenas o direito de escolher ouvir ou não as músicas. Basta os bares e locais de festas adequarem-se quanto à produção de ruídos e as festas continuarão lá. É fácil reconhecer que os outros têm direitos e estão certos neste caso.

  43. Edvaldo Cardoso dos santos em 20 de setembro de 2009 19:53

    Estou precisando de ajuda, pois pretendo escrever uma monografia sobre poluição sonora, e espero a colaboração, enviando para mim assutos de taxa sobre poluição sonora.

    Aguardo Obrigado desde já.

    Camaçari, 20 de setembro de 2009.

  44. Edvaldo Cardoso dos santos em 20 de setembro de 2009 19:57

    Gostei muito dos assunto que está acima, que abranje varios assuntos do interesse de todos nós.

  45. bruno miranda em 20 de outubro de 2009 18:35

    é por sertamente o fernando massote esta serto.
    gente como vcs ai do poder nao ve a diferença entre salarios que um trabalhador de verdade aqui que todos os dias coomprem com seu papel de trabalhador…por tanto nao ve oq precisamos…como dono de bar que depende do bar pra sobre viver…como disse o sr fernando
    vcs do poder nao precisam de bar…é bem verdade que politico não precisa de bar para se alegrar, suas orgias são feitas em mansões de bairros chiques em estilo privê. Quem precisa de bar, é pobre, para desabafar as mágoas e esquecer os salários de miséria que se pagam neste país.
    agora lei pra atrapalha o cidadão gnhar dinheiro vc faz…
    mais arrumar ruas esburacadas vc nao é digna de apresentar projeto…
    alias vai fase projeto pra que se em sua casa deve ter um uma rua com tapete vermelho ii td mais…
    quero tambem deixar bem claro que somos também eleitores e nos lembraremos da senhora, com certeza, na eleição do ano que vem. Eu me comprometo em divulgar o seu nome para todos os meus amigos contra vc…

  46. Eduardo em 26 de dezembro de 2009 10:13

    Prezado Bruno Miranda, ninguém é proibido de ter bar, o que não pode são os donos de bares e restaurantes pensarem que podem azucrinar as vidas de outras pessoas, ou seja, podem trabalhar mas respeitem os direitos alheios pois nossos ouvidos não são propriedades de pessoas sem educação pra conviver em comunidade.

  47. Carlos Altair Santana Dantas em 10 de janeiro de 2010 23:46

    Parabéns a vereadora Elaine Matozinhos pela proposta da Lei do Silêncio! Quantos aos que defendem que não temos o direito ao sossego e de não ser incomodados em nossos ambientes faria uma sugestão: Vamos colocar os aparelhos de som na porta deste vândalos por 24 horas durante 30 dias somente e ver se ele realmente concorda que não temos direito de um ambiente sadio e livre da poluição sonora. Duvido que eles concordem de, após 30 dias, deixar os aparelhos ligados. Triste Brasil!!!!

  48. Adriana silva em 5 de março de 2010 21:49

    Será que o tão *temido* IPTU e demais impostos nos protege, quero dizer:nos dar o direito de reclamar? mesmo sabendo não ser ouvidos? moro do lado de um buteco que seu som é maior que o seu metro quadradro, minha família e eu somos obrigados a ouvir a espelunca que se toca lá até eu chamar o 190, que logo que saí a viaduta volta um som mais alto. A quem procurar? oque fazer? mudar? gostaria que *alguém* com a cabeça menos cheia de porcarias (som) me ajudasse a entender pq eles podem e eu é quem pago!?

  49. Nelisa Leite em 8 de março de 2010 16:53

    Sou totalmente a favor desta lei do silêncio quem quiser ter negócio barulhento, pertubando o sossego das pessoas que adeque o estabelecimento com isolamento acústico ,assim não prejudica ninguém.
    Meu problema não é um bar ,mas sim um lava jato ,ao qual usa um aspirador ensurdecedor em uma aréa residencial e que não respeita os moradores,por isto é que estou escrevendo não é só os bares que provocam barulhos ensurdecedores ,causando grande desconforto aos moradores, principalmente porque são dois prédios residenciais com várias crianças e pessoas idosas ,espero que a vereadora possa me ajudar neste caso ,conte comigo nas próximas eleições .
    PARABÉNS POR ESTÁ LEI DO SILÊNCIO !!!

  50. LEONARDO em 13 de junho de 2010 10:16

    SOU A FAVOR E QUERO AJUDAR NO QUE PUDER PARA QUE OS MUITOS FOLGADOS ATREVIDOS QUE FAZEM BARULHO ALTO SEJAM ABRIGADOS A SE COMPORTAR COMO GENTE.

  51. Vereadora em 30 de janeiro de 2011 09:37

    Olá!! Gostaria de saber se no Município de São João de Meriti, existe a lei do silêncio? aparti de que horas? cachorros podem passear com sua dona sem coleira, sem focinheira às 05;50 da manhã de Domingo? Aguardo o retorno!! Grata.

  52. Paulo César em 12 de maio de 2011 17:09

    Gostaria de estar participando com a seguinte opinião… a famigerada Lei do Silêncio existe… a norma ABNT NB 10151/152 dita como realizar… alem disso já existe a Lei Estadual nº 7.302/78… aí veio o PL 3803/09 do Dep Delio Malheiros que tenta alterar a lei estadual. vejam só que aberração de uma ignorancia tamanha… passar indices de ruídos de 70 dB para 40, 45, 50 até 70 do mesmo jeito dependendo da área e alterar o período noturno de 22 às 06 para 22 às 07…isso é prova de quem quer mostrar alguma coisa que cause polêmica.
    Dependendo da região SERÁ NECESSÁRIO PROIBIR A CIRCULAÇÃO DE QUALQUER VEÍCULO RODOVIÁRIO, em medições ambientais, o mais simples veículo o ruído vai alem dos 60 dB a uma distancia destes de 12 metros…
    Então basta doutrinar os ruídos em bares, lanchonetes, barzinhos e outros, mantendo um nível externo de até 80 dB, visto que o simples conversar entre duas pessoas já sobem de 70 dB.
    Fora disso, qualquer coisa que tentam fazer, é mera politicagem sem propósitos.

  53. bernadeth em 21 de maio de 2012 11:36

    estão fazendo uma casa ao lado da minha e os pedreiros começam as 08.00 da manhã. Gostaria de saber se estão corretos, pois o local é residencial.
    Desde já agradeço sua atenção

  54. Teresita P. de Castro em 29 de setembro de 2012 21:14

    Não tenho problemas com bares. Não tem bares perto da minha casa. Moro num prédio na Av Afonso Pena, perto da Praça Tiradentes. À noite, o barulho é um horror. O ruído dos carros comuns virou um fundo e já não incomoda tanto. Mas o sono da gente é interrompido com motos incrementadas e barulho de carros com algum incremento no motor que produz um barulho fortíssimo. Eles passam pela Afonso Pena toda, até o alto com um barulho ensurdecedor. Isso é péssimo porque eu acordo de repente assustada e me dá até uma taquicardia. Se existe um limite de decibéis permitido, por que é permitido fabricar ou alterar motores desse jeito? Por que esses guardas municipais ou outros personagens da prefeitura não podem ser incumbidos de multar esse pessoal, tomar as motos ou os carros, enfim, dar um jeito nessa folga e falta de respeito às leis e às pessoas? Isso não é só à noite. Durante o dia, muitas vezes tenho que tampar os ouvidos na passagem de alguns veículos por ser insuportável o barulho que fazem. Não tem nenhuma autoridade que possa medir esses decibéis? Já está na hora de os jovens acordarem para a necessidade de não pensar só neles, de pensar que não estão sozinhos no mundo. O outro existe e merece respeito. O direito à vida saudável se sobrepões à liberdade de fazer o que um indivíduo quiser e lhe der prazer. Acho um absurdo o que acontece com o barulho sem ninguém fazer nada. Tem que haver lei para o barulho dos bares , mas não só para os bares, mas para o barulho excessivo de qualquer tipo. E é urgente. O estresse das pessoas hoje tem muitas causas. Dentre elas, o ruído elevado que causa irritação, nervosismo, tensão.
    Torço para que esse assunto seja levado a sério.
    Obrigada! Teresita

Deixe um comentário: